Afiliados



Jogador Nº 1, de Ernest Cline (+ Próximo Capítulo)

22 de janeiro de 2018


Quer saber o que eu achei de Jogador Nº 1, obra de Ernest Cline que será adaptado ao cinema? Então leia essa postagem!

Olá pessoal, tudo bom? Estou participando da Jornada MLV, organizada pelo Geek Freak. Sendo do time dos guerreiros (Galteiro), tenho, pelo menos, quatro missões para cumprir. Uma delas era para escolher um livro que eu sempre tive medo de ler. Em vez de optar por uma obra que me assustaria, decidi que leria Jogador Nº 1, de Ernest Cline, pois como ela é super elogiada, tinha medo de ler e não gostar. Bobo, não é? Mas decidi deixar esse receio de lado e começar a leitura... E como fui surpreendida! Eu deveria ter lido antes e, hoje, detalharei sobre tudo o que senti. Além disso, eu estou participando de um projeto muito legal chamado Próximo Capítulo, então contarei os detalhes no final da postagem. Fiquem de olho!

Editora: Leya. Ano de Lançamento: 2012. Páginas: 464.
SkoobGoodreads. Onde comprar: AmazonSaraiva

Uma realidade virtual bem real

O ano é 2044 e a vida não é a que conhecemos hoje. O governo é ausente e a população sofre muitas dificuldades. Em contrapartida, há um mundo utópico de realidade virtual em que as pessoas - com um preço baixíssimo, óculos e luvas -, conseguem viver da maneira que desejam. Você cria o seu personagem e o controla do jeito que quiser.

Um dos criadores desse programa é um bilionário que acabou morrendo. Então, ele decidiu doar toda a sua fortuna para quem conseguir encontrar as pistas e passar as "fases" criadas por ele no jogo. Wade Watts, um rapaz de 18 anos, conseguiu achar a primeira pista e agora todo mundo está atrás dele ou se juntando em sua caçada. O melhor é que, para você conseguir vencer, deve conhecer bastante dos anos 80, época em que o criador viveu a sua adolescência. E, com personagens entrando em cena e assuntos importantes sendo mencionados, a história se desenrola.

Quando me sentia deprimido e frustrado com a vida, só precisava apertar o botão do Jogador 1 e meus problemas sumiam de minha mente instantaneamente.

Gostaria de deixar claro aqui, nesse ponto, que eu sou fã da década de 80. Apesar de ter nascido e crescido nos anos 90, passei a admirar a cultura envolta da década anterior. Filmes, músicas e séries fazem parte da minha rotina diária, já que meus pais são os grandes incentivadores sobre esse tema. Portanto, foi uma sensação maravilhosa ler um livro que praticamente é uma homenagem a essa época.

Capitão América ficaria louco com a quantidade de referências presentes na obra.  Eu, por outro lado, fiquei admirada de como o autor conseguiu mesclar esse assunto e a história em si. Para mim, pelo menos, não fica enfadonho ou chato. Na realidade, eu ficava sempre procurando esses easter eggs e me alegrava quando entendia o que estava sendo mencionado. Se você gostou do novo filme de It, a Coisa e de Stranger Things, saiba que também poderá gostar de Jogador Nº 1, pois a ambientação é a mesma.

Ser humano é uma porcaria na maior parte do tempo. Os videogames são a única coisa que tornam a vida suportável.

O que eu mais gostei (além das referências) foi como o Ernest Cline criou uma narrativa fechadinha, sem furos. Enquanto lia, apareciam algumas situações que logo eram esquecidas e eu me questionava sobre os motivos dele mencionar aquilo e deixado de lado. Porém, quando eu menos esperava, ele explorava a circunstância citada e tudo fazia sentido novamente. Então, se você estiver lendo e deparar com um caso parecido, saiba que há uma razão.

Se alguém me perguntasse para eu definir o gênero desse livro, eu não conseguiria. Ernest escreveu uma história que é de distopia, de ficção científica (com ares de cyberpunk) e romance. É tudo misturado, mas de uma maneira que deu certo. E sim, há um romance. Entretanto, não é desenvolvido em toda a trama, já que não é o foco principal. Eu, particularmente, gostei disso, pois condiz com o tipo de obra que o autor quis criar. É sobre uma caça ao tesouro, não um romance adolescente.

Você sabe que acabou com sua vida quando o mundo todo se fecha e a única pessoa com quem você pode conversar é o seu software de agente de sistema.

Além disso, ele consegue apresentar diversas temáticas importantes como o machismo e o racismo - além de ter pinceladas leves sobre a homofobia e gordofobia. Ali, vemos que a humanidade não mudou e, com o poder de criar um personagem com características físicas que quiser, muitos optam por homens brancos héteros, para não sofrerem preconceito dentro do jogo, da mesma maneira que sofrem cotidianamente. Ou de como, ao criar uma personagem feminina e você ser boa no que faz, alguns acreditam que é um homem por trás dos óculos, pois não conseguem imaginar uma mulher ser bem-sucedida.

Outro ponto interessante é sobre o mundo virtual versus o mundo real. Isso não é só destacado em Jogador Nº 1, mas podemos fazer um paralelo com a nosso cotidiano. As vezes ficamos tão obcecados nas redes sociais e a vida perfeita que as pessoas postam, por exemplo, que esquecemos de viver a vida real. Quantas vezes você já foi em um restaurante e viu alguém sentado nas mesas, comendo e mexendo no celular, em vez de conversar com quem está ao seu lado? O mesmo ocorre no futuro não tão distante desse livro, no qual preferem a realidade virtual do OASIS.

Um lugar agradável para que o mundo se escondesse de seus problemas enquanto a civilização humana lentamente ruía, principalmente por negligência.

Outro assunto, como as consequências que teremos em relação a natureza e a maneira de como a tratamos o tema - ignorando, na maior parte do tempo -, foi representado. Nós sabemos que estamos matando o nosso planeta e que muitas matérias-primas não são eternas, mas não pensamos como será o nosso futuro sem elas. E isso é retratado na obra, com um mundo miserável e sem esperança, enquanto eles revivem os anos 80 e imaginam como aquela época era boa.

De maneira geral, é uma trama clichê em que um casal e alguns amigos estão lutando contra um vilão, para que o bem vença o mal no final, com a ajuda de um mestre. Além disso, a maioria é jovem e eles teriam a capacidade de ganhar. Todavia, apesar de ser uma história adolescente e a narrativa condizer com isso sendo leve, consegue trazer debates - como descrito acima - e te envolver nas dificuldades que eles passam.

É preciso deixar um pouco mais difícil essa conquista, para que a vitória fácil demais não desmereça o preço.

Para finalizar, uma circunstância interessante de citar é que os personagens são bem inteligentes. Lógico que quem está concorrendo, para ganhar uma fortuna, deve ter algo acima da população comum para merecer. Então, não se assuste ao perceber que o Wade decorou as falas de um filme, incluindo o sotaque e a entonação de acordo com o humor de quem está sendo representado. Ou que ele faça outras coisas tão mirabolantes para vencer.

O livro é daqueles que você lê e nem percebe o tempo passar. Usando e abusando da nostalgia, Ernest Cline cria uma história envolvente e que te faz refletir sobre diversos temas importantes para a nossa sociedade. E apesar de ser uma trama adolescente previsível, consegue nos fazer entrar dentro de um videogame e nos apaixonarmos pelo seu enredo. Eu recomendo muito que você leia, se você gosta dos pontos que citei ao longo da resenha, pois sei que você se encantará, assim como eu.

Clube Literário: Próximo Capítulo


Ano novo, parcerias novas. O Próximo Capítulo é um clube literário no qual o Instantes Memoráveis estará participando. A ideia é falar sobre livros seja por temas, maratonas, tags e, posteriormente, sorteios. Criamos o Próximo Capítulo com o intuito de ser uma forma de dizer sobre eles de um jeito diferente: as opiniões e gostos variam. Assim, todas as postagens do clube que você encontrar aqui, também será encontrada nos parceiros abaixo:


Próximo Capítulo significa a próxima leitura, aquilo que você pode ler depois. Nós esperamos que você goste do que iremos fazer, pois o mês que vem já estará disponível o primeiro post do projeto. Fique atento nas redes sociais para nos acompanhar e sinta-se livre para conhecer os outros blogs, pois todos são feitos com muito amor e responsabilidade.
Comentários
27 Comentários

27 comentários :

  1. Olá!

    Eu também tenho medinho de ler esse livro, mas já coloquei ele na minha TBR de Fevereiro, pois quero ler antes de assistir ao filme. Pelos quotes, pelo menos, o livro parece mesmo ser interessante. Espero que você curta a leitura e que eu também! ♥

    Ingrid Cristina
    Blog Catarse Literária

    ResponderEliminar
  2. Oi oi!

    Eu fiz um comentário GIGANTE aqui e o blog deu erro então bora lá de novo. Eu li Jogador Nº 1 logo que foi lançado e, apesar de não guardar detalhes da trama mais, lembro-me de achar que ela funcionaria melhor no cinema. E este ano sai a adaptação que parece legal, apesar das modificações que já percebemos (a principal o protagonista!).

    Que bom que você gostou da mistura de gêneros que o Ernest fez, particularmente isso me incomodou porque não via um aprofundamento muito grande em nenhuma delas e lembro de ficar bem frustrada com isso na época. Mesmo as referências quase intermináveis a cultura pop me incomodaram porque eu achei que estava demais, mas de novo: que bom que isso foi um ponto positivo para você.

    Que bom que enquanto lia não percebeu o tempo passando, eu fiquei o tempo todo querendo desistir da leitura e me forçando a continuar (não faço mais isso de jeito nenhum hoje em dia) porque na época achava errado desistir de um livro.

    A história simplesmente não funcionou para mim, mas acho que essa é a beleza da literatura: não existe uma verdade absoluta e cada um de nós pode gostar e desgostar de livros diferentes.

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderEliminar
  3. Também tenho medo de ler livros muito elogiados, posso dar com os burros na água. Não conhecia o livro em questão e a premissa dele me lembrou muito The Sims e assim como você nasci praticamente nos anos 90, mas sou fascinada pelos 80. Nisso o livro já me ganhou, sem mencionar astemáticas que o livro aborda. Quero muito ler.
    Quero ver mais coisas do Próximo Capítulo por aqui, parece bem interessante.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  4. Oie
    Todo mundo participando dessa maratona e eu aqui com uma ressaca literária gigantesca kkk amei a dica, esse livro está na minha wishlist faz tempo viu? Espero conseguir ler em breve. Bacana saber que ele retrata temas sérios, como homofobia e gordofobia, acredito que vou amar.
    BJos, Bya! 💋

    ResponderEliminar
  5. Olá...
    Sempre adoro acompanhar maratonas, mas, gosto de ver a participação dos meus amigos, porque, como sou enrolada é bem capaz de me enrolar toda rsrs...
    Gostei de saber que a leitura é tão fluída a ponto de o leitor nem ver o tempo passar! Fiquei curiosa sobre como o autor desenvolveu esse lado real X virtual.
    Enfim, amei seus comentários e fiquei bem entusiasmada a ler.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  6. Oiii,

    Achei um projeto muito interessante e a obra trabalhada também parece ser, apesar de não ser o meu tipo de leitura, parece que o autor souber amarrar bem os elementos utilizados de forma a cativar o leitor e isto é muito importante. Fiquei curiosa para conferir as referencias utilizadas.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com/

    ResponderEliminar
  7. Oieeee. Eu também amo a década de 80 e 90, acho que foram as melhores em questão de inovação e divertimento,porque a época de tecnologia não tem muita graça. E seriados e filmes assim são os melhores. Este livro deve ser divertido pela obra ter este fator.

    ResponderEliminar
  8. Heiii, tudo bem?
    Sou doidaaa pra ler esse livro!
    Já li mta gente falando super bem e sempre tive uma curiosidade grande.
    Tb sou apaixonada pelo naos 80 e 90, acho que foi uma epoca mto rica e saber q tem várias referencias, me deixa animada a ler logo.
    Adorei a resenha.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderEliminar
  9. Olá!
    Humm eu gostei de It A coisa, mas não sou muito fã de ficção científica, ainda não consegui decidir se me atrai o suficiente para querer embarcar nessa leitura.
    Por sua resenha deu pra perceber que o autor conseguiu colocar bons elementos na trama, alguns até surreais mas acredito que no final manteve a proposta e fico feliz por ter sido uma boa experiência pra ti.
    Interessante escolha para uma maratona, espero ver mais em breve no seu blog.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderEliminar
  10. Esse livro é um dos favoritos do próprio organizador da maratona, né? Ele sempre fala tão bem sobre! Sem contar que logo sai o filme. Não é um gênero que me atrai, mas eu confesso que não fazia ideia dos temas abordados, agora mudei totalmente de opinião e espero adquirir em breve. Sucesso na maratona!

    ResponderEliminar
  11. Eu e li e gostei ,também demorei a ler , mas por conta do enredo não me interessou.
    Li a sinopse e achei que não gostaria mas o livro sempre nos surpreende né?
    Amei o post 😘😘

    ResponderEliminar
  12. oi!
    Gostei do livro :D a temática é bem interessante. A resenha me deixou curiosa, irei ler com certeza ;0
    bjo

    ResponderEliminar
  13. Oi, tudo bem?
    Eu tenho muita curiosidade de ler esse livro, mas também o medo por ser tão elogiado. Como você, eu tenho medo de ler e não gostar haha. Então, adorei saber que a leitura te agradou tanto.
    A premissa é muito interessante e achei interessante o autor abordar tantos temas importantes. Além disso, gostei de saber que há romance, mas sem tirar o foco do livro. O único ponto que acho que me incomodaria um pouco é que, ao contrário de você, não curto muito a década de 80 e não sei se teria paciência com as referências.
    Mas, de qualquer forma, adorei a resenha e ainda quero ler o livro.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  14. muito bom eu ainda vou ler o livro e assistir filme

    beijos

    ResponderEliminar
  15. Oiee, tudo bem? AMEI sua resenha! Ficou ótima e bem detalhada, me deixando com vontade de largar tudo e ir correndo ler o livro :D Adoro essas leituras com ar nostálgico e várias referências! Definitivamente é um livro que lerei em breve e algo me diz que irei amar também <3 Dica anotadíssima.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  16. Oiee ^^
    Lembro que sempre fui doida para ler esse livro, desde que ele lançou, mas eu sempre imaginei que sairia uma continuação e fiquei esperando...haha' e também achava o preço dele caro. Imagino que tenha subido ainda mais agora, né? Anyway... Fico MUITO feliz em saber que você gostou tanto do livro e que se surpreendeu com a história - eu não sou muito fã de ficção científica, mas adoro romances e distopias!
    MilkMilks ♥

    ResponderEliminar
  17. Olá!Tudo bem?
    Primeiro: a capa desse livro é muito linda.Segundo:Quero esse livro na minha mesa.
    Adoro livros que abordam tanto uma sociedade destruída que utiliza um jogo para vencer na vida como assuntos machistas.Deve ser uma dinâmica muito boa,já irei colocar na minha lista de compras.
    Sobre o projeto é uma ideia maravilhosa se juntar com outros blogs.
    Beijos

    ResponderEliminar
  18. Sua resenha ficou maravilhosa!
    O projeto é ótimo... Estou querendo e precisando muito desse livro 😀

    ResponderEliminar
  19. Olá, tudo bem?

    Eu acho que Jogador nº 1 tem uma pegada que encontramos em diversos livros. Consegui achar algumas coisas parecidas com Jogos Vorazes, A sétima cela, dentre outros. Por esse motivo, creio que gostaria dele, mas vou esperar o filme sair nos cinemas para ver se realmente valerá a pena.

    Beijos
    @blogodiariodoleitor

    ResponderEliminar
  20. Oiiiie,
    Já esse livro eu ainda não conhecia e muita gente ta falando bem dele aqui e comparando, então deve valer a pena ler esse livor *u* a capa eu gostei bastante

    ResponderEliminar
  21. Oi, tudo bem ?

    Amo maratonas,acho muito empolgante e amei você ter postado aqui sobre. O livro parece ser uma ótima indicação literária e os quostes ressaltados destacaram ainda mais a obra.

    ResponderEliminar
  22. Sua resenha ficou muito boa.Achei o livro bem interessante.,também adoro anos 80,mesmo vindo ao mundo nos anos 90 rs pela resenha,parece ser uma obra muito bem elaborada.

    ResponderEliminar
  23. Gente, eu estou muito chocada, isso prova muito que não devemos julgar o livro pela capa,sempre achei que ele era algum livro chato de ficção cientifica, gênero que eu não leio por nada, mas parece ser uma história maravilhosa, assim como você, nasci nos anos 90 mas sou apaixonada pelos anos 80,me deu muita vontade de ler o livro e descobrir o desenrolar da história

    ResponderEliminar
  24. Oie, tudo bom?
    Eu também participei da Jornada MLV.
    Eu sou louca para ler Jogador N°1, mas tenho um pouco de receio porque o gênero não é muito dentro da minha zona de conforto. Porém, o fato do livro ser cheio de referências aos anos 80 me deixa bem curiosa de como o autor encaixou isso num livro que se passa num futuro muito distante.

    Beijos.
    www.mansucritoliterario.com

    ResponderEliminar
  25. Olá!
    Eu participei da Jornada MLV, mas não consegui concluir a leitura de nenhum livro. Gostei muito de conhecer suas impressões sobre esse livro e de ela ter referências ao Capitão América, um personagem que eu adoro.
    Vou anotar a dica, sem dúvidas!
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderEliminar
  26. Olá!
    Tenho muita vontade de ler esse livro distópico, também gosto muito das coisas do anos 80, é uma época rica demais. Esse livro está na minha lista tem um tempinho, mas ainda não tive oportunidade de ler, vai virar filme e já estou bem curiosa!

    beijos!

    ResponderEliminar
  27. Só amor pela década de 80! Eu nasci no finalzinho dela, mas crescendo ainda tinha muita referência da mesma. Eu adoro livros com referências e o fato de este as possuírem até poderia ter chamado minha atenção se não fosse o gênero. Não curto muito esse gênero, não sou muito ligada em jogo e nessea cenários meio distopicos, por isso não leria. Mas eu vi o trailer e pelo menos visualmente parece que vai ser muito bom.
    Realmente é muito comum a gente sair e ver as pessoas grudadas no telefone ao invés de conversarem uma com as outras, é até triste.
    E não duvido nada que em alguns anos haja esse tipo de realidade alternativa e eu morro de medo disso! Haahhaha

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderEliminar