Afiliados



A Guerra que me Ensinou a Viver, de Kimberly Brubaker Bradley

16 de abril de 2018


Quer saber o que eu achei de A Guerra que me Ensinou a Viver, de Kimberly Brubaker Bradley? Então leia essa postagem!

Olá pessoal, tudo bom? Eu amei tanto A Guerra que Salvou a Minha Vida, da Kimberly Brubaker Bradley, que não hesitei em comprar a continuação: A Guerra que Me Ensinou a Viver. Eu li o mais rápido que pude depois que a encomenda chegou e, ah, como eu amei essa obra! Vou contar um pouco para vocês o que me encantou tanto. Vamos lá?

Editora: Darkside Books. Ano de Lançamento: 2018. Páginas: 280.
Skoob, Goodreads. Onde comprar: AmazonSaraiva.

Uma nova história é escrita

No primeiro livro, conhecemos a história da pequena Ada e do seu irmão mais novo, Jamie. Eles não conheciam nada além do local onde moravam e a Ada, ainda, nunca saiu do apartamento em que vivia com a Mãe. A menina não sabia o dia do próprio aniversário ou, até mesmo, quantos anos tinha. Nascendo com um pé torto - deficiência que poderia ter sido resolvido com uma simples cirurgia desde quando era um bebê -, sofreu abusos de sua genitora durante toda a sua infância. Não conhecia uma vida diferente daquela.

O cenário é a Segunda Guerra Mundial e a Inglaterra está passando por dificuldades contra a Alemanha. Entretanto, quando as crianças foram evacuadas de Londres para o interior - fugindo dos bombardeios da capital -, ela vê uma oportunidade para sair daquela horrível realidade. Se infiltrando no meio dos outros jovens, chega em Kent, na casa da Susan Smith - que a acolhe junto ao irmão por não haver escolha, sob a pressão da Lady Thorton.  Mal sabiam que a vida dos três mudaria para sempre.

O Jamie e eu também éramos náufragos, mas no fim das contas não tínhamos sido resgatados. Não tínhamos chegado a uma ilha. Ainda lutávamos para não nos afogarmos no mar abalado pela tormenta. 

A guerra salvou-lhes a vida e agora a pequena Ada - que descobriu que tinha nove anos - fará a tão esperada cirurgia. A sua adaptação após o procedimento e vivendo novamente com a Susan e seu irmão mais novo é a ambientação desta obra. Neste momento, a guerra lhe ensinará a viver e voltar a ser criança.

A Ada, por conta  dos maus-tratos sofridos pela mãe, é insegura, teimosa e orgulhosa. Algumas vezes, no primeiro volume, isso me irritou. Mas eu parei, pensei e consegui entender os motivos dela ser assim e que eu precisava me colocar no lugar dela para compreendê-la totalmente. É de cortar o coração tudo o que ela sofreu por ter sido filha de uma mulher que não estava preparada para tal função. 

Eu mal podia acreditar. "Daqui a pouco", eu disse, "vou estar correndo. E mais rápido que você."

Portanto, ainda temos uma Ada insegura, que não sabe se soltar e ser criança, agindo como se fosse responsável por tudo. Ela tem os resquícios de seu abuso e não conhece uma rotina que não aquela recheada de medo. Ada não descobriu quem ela é, na verdade. É difícil apagar anos de sofrimento em um segundo. Alguns nunca superam, mas aquela pequena menina tem uma lição para nos ensinar e mostra que, com o devido cuidado, tudo é possível.

Junto com Susan, Jamie, Maggie (sua melhor amiga e filha da Lady Thorton) e os cavalos, ela começa a se encontrar. Mesmo em meio aos horrores dos combates e do racionamento de alimentos, ela descobre um local seguro para florescer. E faz isso lindamente. 

Tentei me forçar a me sentir feliz, mas por sob a felicidade, eu estava espinhosa, como se toda a pele do meu corpo estivesse esticada demais. Eu podia não ser uma aleijada, mas ainda não sabia quem eu era.

Susan, uma mulher que nunca quis ter filhos e tem suas próprias cicatrizes internas, se mostra uma verdadeira mãe. Apesar da Ada e Jamie não saírem de seu ventre, ela sabe dar espaço e o amor necessários para a cura das crianças. Cada um dos três, no seu próprio tempo, aceitam o seu novo destino e se abrem para uma nova fase, com esperança de um futuro melhor.

Mas a época não ajuda e, com a guerra acontecendo, o livro não é inteiramente feliz. Apesar de vermos o desenvolvimento da Ada e como ela amadureceu, temos momentos de inteiro sofrimento que nos quebra o coração. Outros momentos, por outro lado, são de um encantamento que nos dá um pouco de fé que tudo terminará bem. 

"Mas você também tem outras cicatrizes, não tem?" A Maggie rolou o corpo de costas. Vi que ela agarrava a beirada dos lençóis. "Todo mundo tem. Invisíveis."

Não é assim, lógico. É uma guerra e, como tal, traz diversas problemáticas, incluindo a morte, o preconceito e a dor constante. É um cenário que traz sempre uma expectativa que algo horrível aconteça. Mas a autora sabe como dosar todos os assuntos e não fica tão pesado ao ponto de você não querer mais ler. Todavia, me fez chorar e muito. Seja de felicidade ou de tristeza.

É uma trama delicada e a Kimberly conduziu a história com a sensibilidade esperada. Narrado pela Ada, nos mostra a perspectiva de uma criança em meio aos horrores, então a inocência e peripécias infantis são o que dão fôlego ao enrendo tenso. O amor pelos animais, principalmente os cavalos, é o que mais ajuda a pequena menina a evoluir. De uma garota que não sabia andar e nem ler, vemos uma pequena jovem que aprendeu a voar.

De súbito, meu medo desapareceu. O Oban estava voando, e eu ia com ele. Voando. Eu estava voando! Era a melhor e mais feliz sensação do mundo.

A narrativa, logo, é algo fluída e envolvente. Eu não conseguia largar essa leitura enquanto não terminei, pois eu precisava saber o final da mesma maneira que preciso de ar. Olhar a guerra pelos olhares singelos de uma criança nos leva a pensar sobre o que está acontecendo agora no Oriente Médio. O meu maior desejo é que nenhuma delas saibam o que é uma guerra de verdade, mas sei que muitas nasceram durante essa época e não conhecem outra realidade a não ser esta.

A vida é terrível e ver jovens sofreram pelas mãos dos adultos é horripilante. Mas A Guerra que me Ensinou a Viver acalenta o meu coração ao mostrar uma Ada que se abriu a novas perspectivas e se deixou ser amada. Ela poderia ter se fechado para sempre, deixando o abuso infantil ter ditado a sua vida, mas resolveu deixar as pessoas que são importantes na sua vida, curá-la. 

E foi um presente. Foi o momento mais incrível da minha vida. 

A edição, como sempre, é linda. A Darkside Books sabe como complementar uma obra ao criar um projeto gráfico, diagramação e capas que enchem os olhos. É quase idêntica ao primeiro volume, com pequenas mudanças. Mas o mais importante, é que a história vale muito a pena. É encantadora, cativante e que, apesar de ter o poder de lhe emocionar, essas lágrimas terão um grande significado. Eu só posso dizer uma coisa: leiam, por favor, vocês não irão se arrepender!


E vocês, já leram esse livro? Querem ler? Qual é a opinião de vocês?

Comentários
16 Comentários

16 comentários :

  1. Oi Dani! Eu também morri de amores pelo primeiro livro, e quando do lançamento deste segundo, fiquei muito ansiosa! Quero muito saber como está Ada depois de tudo, depois daqueles sofrimentos e terror da guerra, depois de tudo. Como foi a cirurgia e como estão todos que entraram na vida dela. Quero muito ler!!



    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderEliminar
  2. Amo a darkside, mas a linha darklove não me atrai muito.
    Gosto de leitura mais trevosa pesadona! uhauhauhau
    Entretanto adorei conhecer um pouco mais da obra aqui no seu blog!
    Parabéns pela resenha!

    Beijinhos

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com

    ResponderEliminar
  3. Oi!
    Hoje realmente é um dia de gastar e ficar mais pobre. Segunda resenha que leio desse livro hoje, e depois de comentar aqui, vou correndo comprar os dois livros. hahaha
    Não conhecia a obra, e fiquei literalmente louca pra ler. um livro sobre a guerra, narrado por crianças e uma mãe terrível que tortura os filhos, já quero demais ler. Realmente a edição é linda e sua foto ficou maravilhosa.
    Bjos

    www.momentosdeleitura.com

    ResponderEliminar
  4. Pulei grande parte da sua resenha pra evitar spoilers, mas preciso dizer que a fotografia do seu post está lindo demais, eu amo seu cantinho e esse tipo de cuidado serve pra me aguçar ainda mais em relação a algum livro. A darkside tá arrasando demais nessas ediçoes, já quero pra ontem, sei que vou me emocionar.

    ResponderEliminar
  5. Fiquei encantada com a sua resenha, mas ainda não tomei coragem de ler esses livros. Estou numa fase de thrillers e policiais... Mas mesmo assim vou anotar a dica, já que você disse que os livros são tão bons assim!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderEliminar
  6. Oie, tudo bom?
    É lindo demais esse livro! Postei uma resenha do mesmo título em meu blog, pois fiquei encantada com a história de Ada! Quero muito ler mais coisas da autora, pois essa personagem me encantou de uma maneira muito incrível! ♥

    ResponderEliminar
  7. Oii! Estou com o primeiro livro na estante, e só preciso de um tempinho para pegar pra ler. Eu estou muito curiosa em relação ao enredo, e confesso que até ser lançado, eu não sabia que tinha um segundo livro. Agora estou ainda mais empolgada para conhecer a personagem e essa história tão envolvente.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderEliminar
  8. Já adicionei essa história na minha lista de futuras leituras! Estou morrendo de vontade de ler o livro.

    Por mais que histórias que se passam durante guerras me façam sofrer horrores (sempre choro muito e tenho pesadelos... porque é algo real, ainda que o livro seja ficção. Guerras existem e destroem muitas vidas), quero dar uma chance para esse livro. Sei que vou me emocionar, que irei me revoltar e possivelmente querer matar com minhas próprias mãos a genitora da Ada, mas também sei que é uma história que se tornará inesquecível.

    Bjs!

    ResponderEliminar
  9. Olá! Tudo bom?

    Já tinha visto esse livro antes mas nunca parei para ver sobre do que de fato se tratava, confesso que adoro a capa! Gostei de saber que a autora soube dosar os assuntos, é algo que gosto bastante em uma leitura nesse estilo. Anotei aqui a dica e pretendo ler o primeiro livro em breve para então conhecer este, espero poder me apaixonar tanto quanto você ♥

    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Li este livro no comecinho deste ano e adorei. Quando vi que teria uma continuação fiquei muito empolgada e ao ler sua resenha agora, só tenho certeza que preciso ler este livro com urgência.
    beijos

    ResponderEliminar
  11. Olá!
    Eu tenho o primeiro livro e ainda não consegui realizar essa leitura. Mas estou bem curiosa com essa leitura, principalmente por trazer sobre a guerra e personagens intensos.
    O livro é lindo e a Darkside fez um belo trabalho com essa edição.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderEliminar
  12. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não li o primeiro livro, mas estou bastante curiosa. Todo mundo fala que a história da Ada é emocionante e já estou preparada para me encantar.
    Adorei saber que a escrita da autora é tão fluida e envolvente, e que a protagonista tem uma evolução do primeiro para o segundo livro. Acredito que seja muito interessante acompanhar essas mudanças na personagem.
    Adorei a dica e espero ler em breve.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  13. Olá,

    Você fala tão bem dos livros dessa autora <3 morro de curiosidade em conhecer essas histórias. Normalmente, evito histórias que tenham como cenário a guerra, ainda mais se tiver criança no enredo, porém esse livro tem me atraído de um jeito, que acho que logo, logo estarei fazendo essa leitura. Além disso, as edições da Darkside são muito bonitas.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  14. Acabei de ler outras resenha sobre o livro, e fico com uma inveja de voces que ja conferiram o segundo livro, sendo que eu não fiz a leitura nem do primeiro, sendo que preciso logo realizar. A história me parece ser emocionante assim como seus personagens. Dica mais que anotada

    ResponderEliminar
  15. Olá!
    Eu tenho muita vontade de ler esses livros, e fico louca quando leio alguns pontos da resenha que vocês super elogiam esses livros. Eu tenho um problema com livros ambientados em guerras, eu fico angustiada com tanta ruindade, não sei me deixa bem triste. Mas esses dois livros eu quero muito ler, e espero poder conferir por que a cada resenha que leio desse livro a curiosidade aumenta.

    beijos!

    ResponderEliminar
  16. Olá!
    Eu não gosto muito de ler obras que são ambientadas em cenários de guerra, as histórias sempre me incomodam um pouco, mas como eu tinha dito outro dia em u.a resenha que vi um blog, desse mesmo livro, a história do primeiro me chamou muita atenção é eu coloquei na minha lista, e como quero tanto conhecer a obra, coloquei o segundo tbm hahaha
    Beijos,
    Traveling Between Pages

    ResponderEliminar