Afiliados

As 5 melhores personagens femininas

13 de abril de 2018


Olá pessoal, tudo bom? Como dito antes, eu estou um pouco atribulada e fica um pouco difícil postar atualizações aqui no blog. Eu tinha várias postagens em mente, incluindo uma semana inteira voltada às mulheres em março, mas fiquei impossibilitada com os estudos e outras responsabilidades pessoais. Uma das ideias era nomear as melhores personagens femininas na literatura, do projeto Próximo Capítulo. Então, antes tarde do que nunca, vamos conversar sobre esse assunto.


Fazer essas escolhas foram difíceis. Eu não queria citar as óbvias: Hermione Granger e Gina Weasley, de Harry Potter; Katniss Everdeen, de Jogos Vorazes; Annabeth Chase, de Percy Jackson; Miss Marple, da Agatha Christie; Liesel Meminger, de A Menina que Roubava Livros; Hazel, de A Culpa é das Estrelas; entre outras. Portanto, eu tentei escolher as que talvez vocês não conheçam, ou que quase nunca são mencionadas, mas que merecem destaques especiais. Não se preocupem, eu não deixarei de explicar os motivos... Vamos lá?

1. Ada, de A Guerra que Salvou a Minha  Vida



Ada é a protagonista dos livros A Guerra que Salvou a Minha Vida e A Guerra que Me Ensinou a Viver, de Kimberly Brubaker Bradley. Ela tem apenas 10 anos e nasceu com o pé torto. A sua mãe poderia ter autorizado uma cirurgia quando ela ainda era um bebê, mas prefere abusar de sua filha, fazendo-a sofrer com esse trauma e trancando-a dentro de casa. Ambientado na Segunda Guerra Mundial, Ada não se abala e, quando as crianças são mandadas para o interior para serem mantidas a salvo dos bombardeios em Londres, ela fuge com seu irmão mais novo.

Apesar de, em alguns momentos, eu ficar irritada com a sua teimosia e orgulho, Ada é uma personagem que tem muito a ensinar e pode inspirar muita gente - eu estou inclusa nessa lista. Dá para notar o seu amadurecimento ao longos dos anos e como ela floresceu e voltou a ser criança quando estava em um ambiente saudável. Os dois livros entraram para a minha lista de melhores leituras que já fiz na vida. Logo o segundo volume será resenhado aqui no blog.

2. Starr, de O Ódio que Você Semeia


Essa obra é a minha leitura atual. Apesar de não ter lido ela inteira, quebrou o meu coração logo no começo. Não é uma leitura fácil, pode ser desconfortável, mas é muito necessária e eu recomendo para todo mundo - mesmo não sabendo o final. No livro a Starr, uma adolescente de apenas 16 anos, se vê diante de uma situação assustadora: seu amigo, negro, foi assassinado na sua frente em uma batida policial.

Diante de tal contexto, ela nos mergulha diante das consequências desse ataque e como ela vive entre dois mundos. Em um, a periferia onde mora, predominantemente negra; do outro, a escola de classe média, predominantemente branca, onde deve se portar de maneira diferente para passar despercebida. É uma vida cansativa e só o começo para uma garota negra que nos mostra como é crescer em uma sociedade racista.

3. Audrey  Rose, de Rastro de Sangue: Jack, o Estripador



Rastro de Sangue: Jack, o Estripador, é o lançamento da Darkside Books. Sendo uma "releitura" dos casos do icônico serial killer, a Kerri Maniscalco nos conta a história sob a perspectiva da investigação ter sido feita por uma mulher. Esta, Audrey Rose, é uma jovem de 17 anos e que gosta de dissecar corpos, mesmo isso sendo moralmente errado para uma mulher da época.

Esse enredo se passa na Inglaterra Vitoriana, então temos uma mulher que não concorda com os padrões da época. Ela não se importa se pensam que não deveria estudar corpos humanos ou estar a caça de uma assassino. Audrey estava a frente de seu tempo, totalmente feminista e progressista, mesmo que esses conceitos não sejam utilizados na época. Uma história que vale a pena e que anseio ver o amadurecimento da personagem nos próximos volumes da série.

4. Paola, de Sorrisos Quebrados



Em Sorrisos Quebrados, escrito por Sofia Silva, temos Paola, uma mulher que sofreu violência doméstica. Quando ela começou o relacionamento com o Roberto, seu marido, não imaginava o que a esperava. Todos pensavam que ela tinha sorte de ter um homem daqueles na sua vida, mas ninguém imaginaria que o príncipe era, na verdade, um vilão horroroso.

Depois de um ataque, ela fica física e emocionalmente marcada. Porém, vemos a sua recuperação e superação em um romance doce e poético. Paola é uma mulher muito forte, que não sucumbiu diante de situações terríveis e tem muito a nos ensinar, principalmente sobre o amor. A vida não é só preto e branco, então a personagem nos mostra como colori-la.  

5. Alina, de Boa Noite



Alina, personagem de Boa Noite, escrita por Pam Gonçalves, é a minha última recomendação. Ela está no começo de sua vida universitária e já se vê diante de várias problemáticas. Uma delas é por ter escolhido uma área predominantemente masculina e, assim, sofrer machismo por acharem que, por ser mulher, ela não era boa o bastante. Além disso, as estudantes estão sendo drogadas e estupradas nas festas. É uma situação apavorante e Alina não fica calada diante das atrocidades. Ela tenta fazer a parte dela, nos mostra que é uma jovem forte e como a sociedade é injusta e desumana.

É uma história pesada, mas tem uma narrativa leve e fluída. Tirando o fato que, no começo, a Alina não tem o melhor gosto para homens (mas quem nunca gostou de um embuste, não é mesmo?), ela se torna uma inspiração para as jovens e uma leitura necessária, não importando a idade.


E vocês, conheciam alguma dessas personagens ou algumas das obras citadas? Já leram? Quais personagens escolheriam?